Ads Top

Documentário conta como Batalha de Winterfell foi gravada: assista

Jaime e Brienne lutarão lado a lado no novo episódio (Foto: Divulgação)

 

O terceiro episódio da última temporada de "Game of Thrones" com a Batalha de Winterfell foi ao ar no último domingo. Com 82 minutos de duração, este foi o episódio mais longo da temporada e inteiro dedicado a luta dos vivos contra os white walkers. E a complexidade das cenas mostradas (apesar da escuridão que muitos fãs reclamaram) contou com um grande trabalho de toda a equipe responsável pela série. 

Atenção para os spoilers a seguir. Para mostrar como foi o processo de criação das cenas, a HBO liberou um documentário de 40 minutos mostrando os bastidores de gravação do episódio. Foram 11 semanas de trabalho — das 18 horas até as 5 horas da manhã. Inclusive, o diretor do episódio Miguel Sapochnik diz que nunca quer fazer esse trabalho de novo. “Eu não acho que ninguém que fez aquilo deseja fazer novamente. Foi muito difícil e eu acho que ninguém tinha percebido o quanto seria”, ele afirma.

O diretor de fotografia conta sobre a escolha de cores no episódio: começa com uma noite muito escura, porque o Rei da Noite leva a tempestade e as nuvens. Entã,  há a cor do luar e a iluminação com os fogos na trincheira — representando o inferno pessoal de cada um dos personagens. No final, quando o fogo já é apagado, a luz do luar assume novamente.

Leia também:
Game of Thrones: os principais fatos do 3º episódio da última temporada
As melhores reações no Twitter ao 3º episódio de "Game of Thrones"

O episódio também foi dividido em gêneros. O suspense foi introduzido logo no começo, quando os personagens estão em fila e não é possível ver o inimigo por um tempo. No caso da Arya (nossa grande heroína do episódio), foi como um filme de terror quando ela entrou no castelo e tinha que fugir dos white walkers. E depois vira ação com as cenas da batalha.

As trincheiras que foram usadas para proteger o castelo dos white walkers (que não gostam de fogo) também foi muito trabalhosa. “Era preciso que fosse algo que as pessoas não pudessem simplesmente pular então nós precisamos construir essas pontes que poderiam quebrar e criar uma outra barreira”, conta Deborah Riley, designer de produção da série. Além disso, eles tiveram que usar tubos de aço e madeira para criar a trincheira.

A ponte no meio da trincheira "quebra" para criar uma barreira (Foto: Reprodução)

 

E se você acha que só você se assustou com os white walkers, fique tranquilo! Sophie Turner (que interpreta a Sansa Stark) confessou que também tem medo dos mortos (mesmo sabendo que não são reais) e chorou de medo durante a gravação.

Assista o documentário completo (ainda sem legenda):

Curte o conteúdo da GALILEU? Tem mais de onde ele veio: baixe o app Globo Mais para ler reportagens exclusivas e ficar por dentro de todas as publicações da Editora Globo. Você também pode assinar a revista, a partir de R$ 4,90, e ter acesso às nossas edições.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.