Ads Top

Emojis são criados com base na percepção de brancos, constata estudo

Emojis são criados com base em percepções de pessoas brancas (Foto: Reprodução )

 

Uma pesquisa da Universidade do Alabama, nos Estados Unidos, aponta que, mesmo que pareçam neutros, os emojis foram criados a partir de ideologias culturais sobre raça baseadas na percepção de pessoas brancas.

Lançados no Japão em 1999, os emojis originais eram representados com um tom de pele claro, o que logo foi considerado algo problemático e provocou a mudança para a cor amarela, que, na época, acreditava-se ser neutra.

Em 2015, uma nova interface permitiu que o tom de pele dos desenhos fosse modificado — o que, novamente, não descentralizou a branquitude das estruturas de design e codificação dos emojis. "É uma falácia que a tecnologia não tenha raça, embora seja freqüentemente percebida como tal", afirma, em comunicado, Miriam E. Sweeney, professora assistente de biblioteconomia e estudos de informação que liderou o estudo publicado no periódico First Monday.

 

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram a nova interface e o discurso do usuário acerca de suas interpretações sobre os modificadores de tons de pele de emoji.

"Como interpretamos nossas tecnologias e como as projetamos são reflexos do contexto cultural específico em que vivemos", diz Sweeney. "Para muitas de nossas tecnologias, há um usuário ideal imaginado, e esses modificadores de tom de pele criaram um momento de ruptura para esses usuários — nesse caso, pessoas brancas — que, de repente, se conscientizaram da raça em uma interface que parecia anteriormente sem raça para eles."

Apesar de levantar a questão sobre o racismo na tecnologia, a interface modificadora não resolveu por completo o problema da representatividade nos chats. Isso porque os modificadores de tom de pele foram adicionados apenas aos emoji básicos e o design deles não foi repensado — os desenhos ainda têm cabelos lisos, por exemplo, sem apresentar traços de pessoas negras ou indígenas. "Por causa disso, os elementos de branquitude permaneceram intactos", afirma Sweeney.

 

Um ponto positivo é que os emojis são atualizados anualmente, adicionando diferentes texturas de cabelo, cor dos olhos, gêneros, profissões e até elementos não-binários. As novas atualizações tentam representar diversas pessoas e culturas, mas evita abordar a estrutura de poder dos sistemas de comunicação de massa, avaliam os cientistas

"Podemos cobrir a superfície, mas nunca sabemos exatamente como diferentes tipos de arranjos sociais, políticos e culturais estão embutidos nos ossos dos emoji como uma tecnologia. Fazer essas perguntas nos ajuda a ver o alcance do poder nossas práticas cotidianas", finalizou Sweeney.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.