Ads Top

48% dos brasileiros afirmam usar assistentes de voz toda semana

84% usam a funcionalidade pela praticidade no dia-a-dia
84% usam a funcionalidade pela praticidade no dia-a-dia Freepik

Uma pesquisa realizada pela consultoria especializada em data science Ilumeo aponta que quase metade dos brasileiros – 48% – utilizam assistentes por voz ao menos uma vez por semana, sendo que, aproximadamente, 1 em cada 5 fez uso diário.

Segundo os entrevistados, a maior motivação para o utilização da funcionalidade é a praticidade no dia a dia (84%), seguida da possibilidade de realizar outras tarefas simultaneamente (76%).

Conheça a fraude que está por trás do envio de sementes da Ásia

As principais finalidades também são duas: procurar informações em um buscador (87%) e tirar dúvidas (82%). Outros comandos, no entanto, como transformar fala em texto e realizar operações bancárias foram lembradas por 52% e 18% dos participantes, respectivamente.

O estudo revela ainda que distanciamento social imposto pela pandemia da covid-19 gerou aumento no uso do recurso: 47% dos entrevistados afirmaram utilizar mais aparelhos eletrônicos controlados pela tecnologia durante o isolamento. Outros 54% têm visto mais valor na funcionalidade.

Pagamento por aproximação triplica no Brasil com pandemia

A tendência é que o aumento do uso de assistentes por voz continue no curto prazo: dois em cada três entrevistados gostariam de usar mais aparelhos com inteligência artificial nos próximos seis meses.

As pessoas também pretendem trocar seus aparelhos eletrônicos durante o próximo ano. Junto aos smartphones, as TVs inteligentes aparecem como o próximo aparelho do movimento de adesão aos assistentes virtuais, com 58% e 54% das respostas, respectivamente. Em terceiro ficaram os smartwatches (37%), na frente de aparelhos como computadores (31%) e Smart Speakers (27%).

Em diferentes momentos da pesquisa, pouco mais da metade dos e entrevistados declararam sentir algum incômodo ou desconfiança de assistentes por voz em relação à privacidade dos seus dados e conversas. Apenas 22%, no entanto, encaram isso como uma barreira.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Pablo Marques

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.