Ads Top

Menos da metade dos profissionais de saúde pública foi treinada na pandemia

Apenas 1 em cada 3 profissionais de saúde diz ter sido testado para Covid-19 (Foto: JC Gellidon/Unsplash)

 

Situações emergentes na saúde pública determinam novos protocolos e demandam capacitação dos profissionais da área – ainda mais se tratando de uma pandemia. Só que, no Brasil, menos da metade dos profissionais de saúde pública do país (como médicos, profissionais de enfermagem, agentes comunitários e outros) receberam algum tipo de treinamento para atuar na linha de frente da Covid-19.

Os dados compõem a pesquisa “A pandemia de COVID-19 e os(as) profissionais de saúde pública no Brasil”, organizado pelo Núcleo de Estudos da Burocracia (NEB FGV-EAESP), em parceria com a Fiocruz e com a Rede Covid-19 Humanidades. O relatório será publicado na terça (10), às 11 horas. Na mesma hora, haverá uma conversa com jornalistas com a coordenadora do trabalho, Gabriela Lotta, e equipe.

 

No trabalho, foram entrevistados 1.520 profissionais da saúde pública no Brasil em survey online, realizado entre os dias 15 de setembro e 15 de outubro de 2020. Os resultados são frutos de uma amostra coletada não probabilística, a partir de respostas voluntárias ao questionário – o que não permite fazer generalizações para todo o universo de profissionais de saúde do país.

Especificamente sobre treinamento para lidar com Covid-19, 52,2% dos respondentes afirmam que não receberam nenhum tipo de capacitação. Dentre os agentes comunitários, a taxa de respondentes para aqueles que declaram que não tiveram treinamento sobe para 65,7% de quem participou da pesquisa.  A resposta diz respeito à percepção do entrevistado sobre o que seria treinamento, o que pode ser interpretado como uma orientação ou conversa a um curso formal.

Os dados mostram ainda que um a cada três profissionais de saúde pública defende uso de medicamento sem comprovação específica para Covid-19. Dentre os entrevistados, 66,2% defendem que drogas só devem ser usadas “com comprovação de eficácia”, mas 33,8% consideram que devem ser utilizadas “mesmo que não haja comprovação da eficácia desses medicamentos já que devemos fazer tudo o que é possível pelo(a) usuário(a)”. Quando os resultados são desagregados por profissão, 70% dos médicos entrevistados defendem medicamentos só com comprovação específica para a doença, taxa que cai para 61% entre profissionais da enfermagem.

 

Quase todos os entrevistados (94,5%) dizem conhecer algum companheiro de trabalho com suspeita ou diagnóstico de Covid-19.  Oito em cada dez revelam sentir medo da doença causada pelo novo coronavírus, mas apenas 28,4% dos respondentes afirmaram ter recebido algum tipo de apoio para cuidar da saúde mental.

Em contato direto com as pessoas na linha de frente, os profissionais de saúde brasileiros estão constantemente expostos ao risco de contaminação novo coronavírus. Segundo último boletim epidemiológico publicado pelo Ministério da Saúde, divulgado em agosto de 2020, mais de 257 mil profissionais de saúde haviam sido infectados à época, sendo 88,3 mil técnicos e auxiliares de enfermagem, 37,3 mil enfermeiros, 27,4 mil médicos e 12,5 mil agentes comunitários de saúde.

A pesquisa “A pandemia de COVID-19 e os(as) profissionais de saúde pública no Brasil” traz os resultados de uma terceira rodada de entrevistas sobre impactos da pandemia nos profissionais da saúde pública do Brasil conduzida pela NEB FGV-EAESP (nesta edição, em parceria inédita com a Fiocruz e com a Rede Covid-19 Humanidades). As edições anteriores foram publicadas em maio e em julho.

“Esperávamos que, após tantos meses do início da pandemia, a situação dos profissionais de saúde estivesse melhor. Mas o cenário que encontramos é desalentador, fruto do descaso governamental: profissionais amedrontados, que se sentem despreparados e sem treinamento, que não receberam EPI ou testagem de forma permanente”, diz Gabriela Lotta, coordenadora do NEB FGV EAESP e responsável pelo trabalho “A consequência é que temos uma parcela enorme destes profissionais sob estresse e problemas de saúde mental. E a pandemia está longe de terminar.”

 

Para os pesquisadores, as análises demonstram que é preciso atenção com a saúde e a vida dos profissionais de saúde. Desta forma, recomenda-se, por exemplo, a distribuição de recursos materiais de qualidade que garantam a segurança dos(as) trabalhadores (principalmente EPIs e materiais de testagem) e manutenção e ampliação de políticas de suporte emocional e psicológico para os profissionais da ponta.

O trabalho inaugura uma nova série de resultados pesquisas de opinião com profissionais envolvidos no enfrentamento da pandemia. No dia 17, serão publicados os dados das entrevistas com assistentes sociais de todo o país – antecipados à imprensa na Bori.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.