Ads Top

Por que a queda do Muro de Berlim é um marco da história mundial

Por que a queda do Muro de Berlim, na Alemanha, é um marco na história mundial (Foto: Tony Webster/Wikimedia Commons)

 

O dia 9 de novembro marca o aniversário da queda do Muro de Berlim, que ocorreu em 1989, na Alemanha. A estrutura de concreto, que dividia o país física e ideologicamente desde 1961, foi destruída durante uma manifestação popular que marcou o início do processo de reunificação alemã e da derrocada do comunismo na Europa oriental.

 

 

 

A divisão da Alemanha começou imediatamente após o fim da Segunda Guerra Mundial. Ocupado pelas quatro forças Aliadas (Estados Unidos, Reino Unido, França e União Soviética), o país foi retalhado em quatro setores. Mais tarde, por causa das diferenças ideológicas, o processo culminou na formação de dois territórios: o Ocidental, conhecido como República Federal da Alemanha, uma democracia sob influência do bloco capitalista; e o Oriental, denominado República Democrática da Alemanha (RDA), um país oficialmente comunista e membro da União Soviética.

A capital, Berlim, também foi dividida. A barreira física entre os dois países foi uma iniciativa da Alemanha Oriental: com 155 quilômetros (km) de extensão, a contenção tinha um trecho de 106 km de muro de concreto, com 3,6 metros de altura, 302 torres de vigilância, 105 km de trincheiras antiveículos, 66 km de arame farpado, entre outras defesas.

A justificativa oficial da RDA era que o muro protegeria sua população da “influência fascista” do outro lado, que buscava impedir a consolidação do estado socialista. Na prática, porém, ele prevenia que cidadãos fossem para o lado Ocidental, fugindo de um estado fechado, repressor e vigilante. Estima-se que, nos 28 anos em que esteve de pé, cerca de 100 mil pessoas tentaram atravessar o Muro de Berlim, das quais 5 mil conseguiram, e mais de 200 morreram.

Entenda a importância da queda da estrutura para a história mundial:

Fim da Cortina de Ferro

A chamada Cortina de Ferro, política soviética de se manter fechada para o resto do mundo, já não era mais sustentável em um planeta globalizado. Desde 1985 como secretário-geral do Partido Comunista, e de 1988 como presidente da União Soviética, Mikhail Gorbatchov tentava manter a estrutura de pé, cedendo aos anseios da população por mais liberdade e abertura, ao mesmo tempo em que tentava reformar uma economia colapsada. Mas o que estava sendo oferecido ainda era pouco, e os protestos começaram a se espalhar pelas repúblicas europeias.

O exemplo mais simbólico da abertura da Cortina de Ferro foi justamente o evento que culminou na queda do muro: na Alemanha Oriental, no dia 4 de novembro de 1989, meio milhão de pessoas foram ao local da barreira pedir o afrouxamento das fronteiras e facilidades para viajar. Sem conseguir conter a manifestação, o governo permitiu viagens em anúncio no dia 9. Para comemorar, os manifestantes começaram a depredar o muro, atravessar a fronteira e abraçar seus compatriotas ocidentais. 

 

 

 

Desmembramento da União Soviética

A queda do Muro de Berlim não foi o motor das revoluções por independência nas repúblicas soviéticas, mas foi um de seus maiores símbolos. Protestos vinham acontecendo de forma sincronizada nos países do Bloco Leste (Europa Central e Oriental) desde o início do ano, e a revolução ainda se espalhou para os países bálticos (Letônia, Lituânia, Estônia), até chegar à Ásia Central (Cazaquistão, Turcomenistão).

Mapa da União Soviética em 1989 (Foto: Wikimedia Commons)

 

A partir de junho, o Partido Comunista Soviético permitiu pela primeira vez que os países fizessem eleições próprias. Mas nada disso adiantou, até que, em dezembro de 1991, a União Soviética foi oficialmente desmembrada.

Reunificação da Alemanha

Apesar das fronteiras abertas, a Alemanha só começou a se reunificar a partir de 1990. Não houve a criação de um terceiro estado: basicamente, a RDA foi absorvida pela República Federal da Alemanha. Para isso, foi preciso criar um comitê de cooperação, elaborar a unificação monetária, estabelecer um plano de reformas econômicas e realizar tratados políticos.

Houve também a necessidade de recuperar a verdade escondida pelo antigo regime: imediatamente depois da queda do muro, burocratas dos órgãos políticos e de repressão (como a Stasi, a polícia secreta) começaram a destruir documentos. Iniciativas populares até hoje buscam reconstituir essa memória, literalmente montando um quebra-cabeça das páginas rasgadas. Todo o processo burocrático de unificação foi oficialmente encerrado no dia 3 de outubro 1990.

Fim da Guerra Fria

Os presidentes George H. W. Bush, à esquerda, e Mikhail Gorbatchov, à direita, no Encontro de Malta, em 1989 (Foto: Yuriy Somov / Юрий Сомов)

 

 

Embora a Guerra Fria não tenha sido um conflito formalmente declarado, foi formalmente encerrado. O fato aconteceu no chamado Encontro de Malta, entre 2 e 3 de dezembro de 1989, durante o qual o presidente dos Estados Unidos, George H. W. Bush, e da União Soviética, Mikhail Gorbatchov, declararam o fim das hostilidades. Nenhum acordo foi assinado, mas Bush declarou apoio à Perestroika, movimento de reformas políticas e sociais promovido pelo líder soviético.

 

 

 

Hegemonia do comunismo chinês

A queda do Muro de Berlim, as revoltas nas repúblicas soviéticas e o desmembramento da União Soviética oficializaram a hegemonia da China como principal força comunista no mundo, pois o país asiático conseguiu o que os camaradas soviéticos não tiveram sucesso: sufocar, por meio de repressão e violência, os anseios populares locais por mais liberdade. No mesmo ano da queda do muro, a China colocou tanques nas ruas para reprimir um protesto estudantil.

Tanques invadem a Praça da Paz Celestial (Foto: Wikimedia Commons)

 

O episódio de 4 de junho de 1989 ficou conhecido como o Massacre da Praça da Paz Celestial, e culminou num endurecimento da censura e do controle político na China. Até hoje, não há números oficiais de vítimas do massacre (variam de 400 a 800, segundo o jornal americano The New York Times, até 10 mil, de acordo com a Cruz Vermelha).

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.