Ads Top

Estonteante, Dua Lipa é capa da Rolling Stone em ensaio do renomado David LaChapelle

Verdadeira, Dua Lipa falou abertamente sobre vários assuntos (Divulgação/David LaChapelle)

Foi divulgada na manhã desta quinta (14), uma entrevista exclusiva da cantora Dua Lipa para a revista Rolling Stone, e junto com o papo, a musa posou para uma sessão de fotos com o renomado David LaChapelle – que já fotografou estrelas como Madonna, Björk, Britney Spears – e falou sobre sua carreira, família, relacionamento, e claro, do badalado álbum “Future Nostalgia” (2020).

“Não tenho duas personas, um alter ego para quem sobe no palco”, disse Dua Lipa. “Eu nunca tive esse problema, de descobrir, ‘Eu serei esse personagem hoje, ou é isso que vou interpretar, ou este é o papel que quero assumir.’ É difícil para mim inventar histórias.”

 

Lipa diz que sua estreia em 2017 foi um exercício para encontrar seu som. “Foi um amálgama de gêneros diferentes pelos quais sou apaixonada e descobri a mim mesma e minhas composições”. O álbum “Dua Lipa” (2017) mostrou a beleza da voz esfumada de Dua e lhe rendeu um Grammy. Com seu primeiro álbum se apresentou 245 vezes em sua primeira turnê, um número que ela orgulhosamente tatuou na parte de trás do braço esquerdo.

Já sobre o sucesso e conceito criativo de “Future Nostalgia”, Dua Lipa diz:

Em algum momento no início de 2018, em algum lugar de Las Vegas, Lipa estava passeando quando, em um “momento luminoso”, o título de seu segundo álbum veio. “Eu só tive aquela sensação de querer que fosse muito reminiscente e nostálgico”, diz ela. “Algo que toca a inspiração e a música que ouvi durante toda a minha vida” – Blondie, Prince, Moloko, Madonna dos anos 80 – “mas também muito atual.” Ela mandou uma mensagem de texto para seu empresário com a ideia, ela disse, “e ele disse, ‘OK, eu amo o nome’, e eu disse, ‘Deixe-me continuar com ele. Deixe-me entrar no estúdio e ver o que vem.  ”

 

O fato de Lipa estar em um lugar diferente escrevendo o álbum ajudou no processo de deixar as coisas mais claras em sua mente: “quando eu estava criando o primeiro álbum, muito do que estava acontecendo na minha vida era sobre desgosto”, explica ela. “Desta vez, eu estava me sentindo tão feliz e as coisas estavam indo tão bem, eu pensei, ‘OK, eu preciso ser capaz de retratar esse sentimento de uma forma que não pareça cafona para mim.’ Não sei por que pensei que quando você é um artista pop e faz uma música feliz, de repente não é legal. Eu meio que tive que deixar isso passar. ” Ela não pensava muito nas baladas. “Teve um ponto em que eu pensei, ‘Oh, todo mundo adora uma balada. Talvez eu deva fazer um. ‘ Mas não era isso que eu estava sentindo. Eu estava tipo, ‘F***-se. É um disco divertido. É isso que é.”

Aos nove anos, ela começou a passar seus sábados na Sylvia Young Theatre School, que Rita Ora, Tom Fletcher e Amy Winehouse já haviam frequentado. Depois de algumas aulas, um professor de voz pediu que ela se levantasse e cantasse. Depois, ele colocou Lipa em uma classe mais avançada, uma que estava cheia de adolescentes. “Fiquei apavorada”, diz ela, “mas ele foi a primeira pessoa a me dizer que eu sabia cantar”.

 

“Eu nunca vi ser bonita ou bonita como algum tipo de poder. Nunca foi algo com o qual me identifico e sinto que fui um pouco enganada de certa forma, porque não sinto que cheguei onde estou por causa disso. Sou extremamente trabalhadora e motivada, e sinto que essa é a razão pela qual cheguei onde estou, por meio de meu trabalho árduo e meu empenho, e eu só queria deixar isso claro porque isso está passando pela minha mente. ”

 

Quando foi “punida” por comparecer a festa pós-festa do Grammy 2020 de Lizzo no clube de strip Crazy Girls em Los Angeles, Dua Lipa defendeu não apenas a si mesma, mas as mulheres em geral. “Eu simplesmente sinto que, se você é uma feminista, também tem que apoiar as mulheres em todas as áreas de trabalho”, diz ela. “Temos que apoiar as profissionais do sexo, temos que acreditar que isso [trabalho] é uma escolha e um direito delas. Parece bastante hipócrita, eu acho, as pessoas escolhendo e escolhendo como querem apoiar as mulheres e quando lhes convém.

Já sobre sua família, Lipa ressaltou o quanto suas origens são importantes: sua família é kosovar albanesa, refugiada dos conflitos nos Bálcãs, e seus avós eram historiadores. “Meu avô do lado do meu pai estava escrevendo livros sobre tudo o que estava acontecendo”, explica ela. “Quando a ocupação aconteceu, as forças sérvias queriam que ele reescrevesse a história. Ele recusou e perdeu o emprego. Portanto, é parte de quem eu sou defender as coisas em que acredito.”

Lipa se diz muito confortável no relacionamento com Hadid, e que a rotina do casal nesse período de isolamento tem sido tranquilo e bucólico:

“Estou muito confortável no relacionamento, mais do que com qualquer outra (…). Acordo por volta das 9h, 9h30, banho, troco de roupa, tomo um pouco de café da manhã, levo o cachorro para uma caminhada realmente agradável, talvez faça ioga, faça um almoço, saia, assista a um filme, brinque com os animais, ”Que inclui vacas, cabras e os cavalos que ela está aprendendo a montar (“ Posso fazer isso com cuidado; não sou boa ”). No Natal passado, ela presenteou Hadid com duas cabras pigmeus, Funky e Bam-Bam, que ela diz serem excelentes animais de estimação. “Você pode levá-los para dentro”, ela se maravilha. “Eles adoram um carinho.”

 

“Essas [palavras das músicas] não vêm imediatamente de algo em que acredito”, continua ela. “É mais porque eu começo com uma falsa sensação de confiança, e então quanto mais eu canto, mais eu toco, mais eu coloco no mundo, mais eu sinto que vivo, respiro, incorporar essas letras e essas palavras.”

 

Musa!

 

 

O post Estonteante, Dua Lipa é capa da Rolling Stone em ensaio do renomado David LaChapelle apareceu primeiro em PAPELPOP.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.